Tuesday 9 March 2021
Home      All news      Contact us      RSS      English
voaportugues - 16 days ago

Mianmar: Mais duas mortes de manifestantes nos confrontos com a polícia

Dois manifestantes anti-golpe foram mortos a tiros pela polícia de choque que disparou no sábado em Mandalay, a segunda maior cidade de Mianmar, informou a media local. Uma das vítimas foi baleada na cabeça e morreu no local, segundo a Frontier Myanmar, uma revista de notícias e negócios com sede em Yangon, a maior cidade do país. Outro foi baleado no peito e morreu a caminho do hospital. Vários outros ferimentos graves também foram relatados. Os tiroteios ocorreram perto do cais Yadanabon de Mandalay, onde gás lacrimogéneo e balas de borracha foram usados em manifestantes no início do dia. O site de notícias Irrawaddy também confirmou as mortes nas redes sociais. As forças de segurança aumentaram a sua pressão contra os manifestantes anti-golpe no sábado anterior, usando canhões de água, gás lacrimogéneo, fisgas e balas de borracha contra manifestantes e trabalhadores portuários em greve em Mandalay. Pelo menos cinco pessoas ficaram feridas por balas de borracha e tiveram que ser levadas em ambulâncias, de acordo com um jornalista da Associated Press que testemunhou a violência. Cerca de 500 polícias e soldados desceram na área perto do cais de Yadanabon depois que os estivadores se juntaram ao movimento nacional de desobediência civil, recusando-se a trabalhar até que a junta militar que tomou o poder no golpe de 1 de Fevereiro restabeleça o governo democraticamente eleito. Manifestantes e residentes foram forçados a fugir do bairro em meio à violência, enquanto as forças de segurança os perseguiam. Houve relatos de sons que se assemelhavam a tiros. Um grupo de jornalistas foi forçado a fugir após ser atingido por gás lacrimogéneo e projécteis de fisgas. No início da semana em Mandalay, as forças de segurança reprimiram os trabalhadores das ferrovias estaduais de maneira semelhante depois de eles se terem juntado ao movimento de desobediência civil. Também no sábado, manifestantes anti-golpe nas duas maiores cidades de Mianmar homenagearam uma jovem que morreu no dia anterior após ser baleada pela polícia durante uma manifestação contra a tomada militar. Um memorial improvisado criado sob uma estrada elevada em Yangon atraiu cerca de mil manifestantes. Uma coroa de flores amarelas brilhantes foi pendurada por baixo de uma fotografia de Mya Thwet Thwet Khine, que foi baleada na capital, Naypyitaw, em 9 de Fevereiro, dois dias antes de seu 20º aniversário. A sua morte na sexta-feira, 19 de Fevereiro, anunciada pela sua família, foi a primeira fatalidade confirmada entre milhares de manifestantes que enfrentaram as forças de segurança desde que o comandante militar Min Aung Hlaing assumiu o poder no golpe. Os manifestantes no memorial gritaram e seguraram cartazes que diziam Fim da ditadura em Mianmar e Você será lembrada de Mya Thwet Thwet Khine . Os apoiantes também colocaram rosas e pétalas de rosa em imagens da mulher. O vídeo do dia em que foi filmado mostra-a protegendo-se de canhões de água e caindo de repente no chão depois que uma bala penetrou no capacete de motociclista que ela usava. Ela estava ligada às máquinas num hospital por mais de uma semana, mas os médicos disseram que não havia chance de recuperação. O porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Ned Price, ofereceu as condolências do seu governo na sexta-feira e reiterou os apelos aos militares para que evitem a violência contra manifestantes pacíficos. Neste sábado, dia 20, em Mandalay, um protesto liderado por estudantes universitários de medicina atraiu mais de mil pessoas, muitas das quais também carregavam flores e imagens de Mya Thwet Thwet Khine. Outros seguravam cartazes dizendo CDM , referindo-se ao movimento nacional de desobediência civil que encorajou médicos, engenheiros e outros a protestar contra o golpe, recusando-se a trabalhar. Em todo o país, os protestos não mostraram sinais de desaceleração, apesar das recentes repressões do governo militar - incluindo uma sexta noite consecutiva em que a Internet foi cortada por muitas horas. Os manifestantes também se reuniram em outras partes de Yangon, cantando e segurando cartazes e imagens da Nobel da Paz e chefe de Estado, Aung San Suu Kyi, cujo governo democraticamente eleito foi derrubado.


Latest News
Hashtags:   

Mianmar

 | 

mortes

 | 

manifestantes

 | 

confrontos

 | 

polícia

 | 

Sources